VOLTAR À DISCOGRAFIA

Passaredo (1977)



02) Máscara letra
(Francis Hime e Ruy Guerra)
03) Trocando em Miúdos
letra
(Francis Hime e Chico Buarque)
04) Meu Homem
letra
(Francis Hime e Ruy Guerra)
05) Lindalva
letra
(Francis Hime e Paulo Cesar Pinheiro)
06) Último Retrato
letra
(Francis Hime e Ruy Guerra)
07) Pouco me Importa
letra
(Francis Hime e Ruy Guerra)
08) Carta
letra
(Francis Hime e Ruy Guerra)
09) Maravilha
letra ouça um trecho
(Francis Hime e Chico Buarque)
10) Ave Maria
letra
(Francis Hime e Oduvaldo Vianna Filho)
11) Anoiteceu
letra
(Francis Hime e Vinicius de Moraes)
12) Meu Melhor Amigo
letra ouça um trecho
(Francis Hime e Olivia Hime)
13) Luisa
letra
(Francis Hime e Chico Buarque)

 

O nosso papo que parecia tenso, no início, estoura em risada poucos minutos depois, quando vem a revelação da idade de Francis: 38 anos. Eu me assusto e ele acha graça, para quem tem 26 anos a proximidade dos 40 parece algo bem distante. Em seguida a gente começa um papo mais “sério”, falando das diferenças entre seu primeiro disco, Francis Hime, lançado pela Odeon e este segundo, Passaredo, que acaba de sair pela Som Livre.

Este disco está diferente do anterior, na medida em que mudamos, de um dia para o outro acontecem mudanças e já se passaram quatro anos entre os dois lançamentos. O primeiro era uma tentativa de mostrar tudo o que havia sido acumulado em meus nove anos de carreira. Era deixar sair tudo aquilo que já não podia mais ser contido. Este segundo trabalho é o momento vivido, ele não tem a preocupação de abranger tudo o que já fiz.

Falando das parcerias que compõem o disco, Francis vai mostrando o trabalho inteiro, as diversas nuances que fazem o colorido, cada faixa com seu detalhe. Ruy Guerra é um dos parceiros de maior número de músicas: Carta, Meu Homem, Último Retrato, Pouco me Importa e Máscara, sendo as duas primeiras belíssimamente interpretadas por Olivia Hime. A importância de Ruy neste disco é bem grande, tendo contribuído com parcerias e idéias.

As músicas deste LP têm sua história, como é o caso de Meu Homem que teve num determinado momento duas letras e músicas devido às constantes mudanças que Ruy e Francis foram fazendo. A solução para duas composições absolutamente parecidas foi aproveitar os melhores trechos de uma e outra numa só música. O encontro dos dois aconteceu há anos. Juntos, eles fizeram alguns grandes sucessos, como: Por um Amor Maior e Minha, que durante tempos foi hino de fim-de-noite nos bares do Rio e em casamentos.

Trocando em Miúdos é uma das parcerias com Chico Buarque de Hollanda, sendo talvez a mais curtida do disco, tendo em vista a reação favorável de tantos quantos a ouviram. Maravilha é o som tropical, um pouco mambo, rumba, samba, alguma coisa de Caribe. Esta música é cantada pelos parceiros, assim como Luiza, uma cantiga de ninar que eles compuseram para suas terceiras filhas: a Luisa com “s”, do Chico e a Luiza com “z”, do Francis.

O título do LP veio de mais uma música da dupla: Passaredo, a dúvida do disco. Composta há algum tempo, ela já era sucesso com o MPB-4 e com Chico Buarque, por este motivo foi muito pesquisada entre os amigos para se tomar uma decisão. O resultado final foi a sua inclusão com uma nova roupagem, um arranjo diferente, que desse uma marca de Francis a ela. O novo arranjo seria dentro de uma linha mais simples, tendendo o popular. A abertura é feita com uma suíte de flautas e trompas, durante mais ou menos um minuto segue-se um clima sinfônico. Após esta introdução vem Francis Hime puxando para o xaxado, num ritmo aberto, conseguindo seu intento de popularizar a composição depois de um breve momento tendendo ao erudito.

Das poucas músicas que Francis compôs com Oduvaldo Vianna Filho, “Vianinha” carinhosamente chamado, foi selecionada Ave Maria, que entrou na peça Dura Lex, Sed Lex, no Cabelo só Gumex. Por sugestão de Ruy Guerra, Francis tentou escrever um arranjo baseado nas “saetas”, cânticos populares, bem primitivos, entoados nas Semanas Santas da Espanha. Depois de tentar conseguir material para pesquisa através da embaixada espanhola, ele desistiu da idéia e pensou em usar as matracas vistas em Ouro Preto, pela mesma ocasião. O arranjo final de Ave Maria usa uma forte percussão que valorizou a letra de Vianinha, dando-lhe uma força dramática crescente.

Paulo César Pinheiro é um parceiro antigo, ele e Francis começaram a compor por volta de 1969. O choro Lindalva foi composto para o filme de Alex Viana: A Noiva da Cidade. Havia um problema no momento de gravar, quanto a utilização de piano num chorinho. A sugestão de como tocar entrando em harmonia com o conjunto de instrumentos chorões veio de Altamiro Carrilho. O resultado obtido torna esta faixa um dos pontos altos de Passaredo.

A inclusão de uma parceria com Vinicius é obrigatória e presta um homenagem simbólica. Até 1963, quando conheceu “Vina”, a idéia de compor era apenas um leve esboço de pensamentos, soltos, sem forma. Foi com este conhecimento que veio a certeza de que poderia fazer música, dar contorno nítido às suas composições. Apesar de toda a formação musical erudita, Vinicius incentivou o lado popular em Francis, juntos compuseram alguns sambas. Um deles está gravado neste LP - Anoiteceu - acompanhado de uma batucada forte, um andamento mais pesado com bumbos, agô-gôs e tamborins. Ficou mais lento e virou sambão, como sempre quis o “Poetinha”.

A mais nova parceria de Francis é a produtora deste LP - Olivia Hime. A música Meu Melhor Amigo tem letra dela. Em princípio era Chico Buarque quem iria fazer esta letra, mas durante o tempo de espera Francis descobriu um poema que se enquadrava perfeitamente em sua composição e apesar de todos os protestos de Olivia surgiu a dupla e a música foi gravada pela autora.

Depois de quatro anos de intervalo, Francis Hime vem novamente ao público com uma garra maior, como que seguindo os ciclos que determinaram o movimento de sua carreira. Apresentando uma postura artística mais amadurecida, baseada no distanciamento crítico em relação ao seu primeiro trabalho e ao momento musical que vive.

ARETUZA GARIBALDI (1977)


Ficha técnica:

Francis Hime - piano e vocal
Olivia Hime - vocal e percussão
Oberdan Magalhães - sax e flauta
Maurício - baixo, violão e vocal
Tutti Moreno - bateria e percussão
Helvius Vilela - arp strings e percussão
Produção: João Tadeu